Dia noturno*


Deixa gostar de bagunçar
O cabelo na cama
A Casa na tarde
O rosto em perfume

Gosta de deixar
Eu balançar
A barriga e a cabeça
No almoço e na sesta
Da tarde de terça

Deixa-me acarinhar
No fim do dia
E na noite a chegar
O rosto desalinho

Alinha essa vida tua
Com a minha bagunça
Nessa coisa que gosta
De chamar nossa

Vida.

*Poema do livro Anjo da Guarda, de Rafael Rodrigo Marajá. 

Postagens mais visitadas